Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/123456789/428
Título: Concepções e práticas educacionais de qualificação profissional na empresa autogerida
Autor(es): ALANIZ, Erika Porceli
DAL RI, Neusa Maria
Palavras-chave: EDUCAÇÃO E TRABALHO;EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR;EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO;EDUCAÇÃO PROFISSIONAL;QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL;COOPERATIVISMO;EDUCAÇÃO SOLIDÁRIA
Data do documento: 2003
Editor: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Programa de Pós-Graduação em Educação
Citação: ALANIZ, Erika Porceli. Concepções e práticas educacionais de qualificação profissional na empresa autogerida. 2003. 356f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Programa de Pós-Graduação em Educação. 2003. Marília. Orientador(a): Neusa Maria Dal Ri.
Resumo: A qualificação na empresa tradicional condiciona-se às modificações tecnológicas no processo de trabalho. A forma despótica e autoritária como se estabelece a relação social nas empresas capitalistas faz com que a qualificação corresponda também às formas de controle e impossibilita integrar o ato de executar ao de planejar. Desse modo, o processo de reestruturação produtiva em curso tem sinalizado para a centralização das tomadas de decisões, apesar de requerer maior qualificação técnica. Tendo em vista que a qualificação remete às relações sociais, a autogestão, em princípio, ao abolir com a divisão do trabalho dentro da fábrica, assinala para a possibilidade de se pensar um novo conceito de qualificação profissional mais completo. Os trabalhadores são responsáveis pela gestão da empresa e têm que se capacitarem em um conteúdo do trabalho mais enriquecido. Assim, a educação dos cooperados torna-se questão de sobrevivência para a cooperativa. Todavia, a cooperativa reproduz muitas práticas das empresas tradicionais, entre elas a organização do processo de trabalho. Além disso, encontra-se inscrita na divisão social do trabalho e mantém relações mercantis com outras empresas independentes, o que a obriga absorver as regras e critérios de competitividade do mercado. A empresa de autogestão encontra-se em uma situação ambígua. De um lado, assinala para a possibilidade de aprofundar as relações democráticas e ampliar a qualificação dos cooperados; de outro, pode aprofundar a reprodução das práticas capitalistas e restringir a qualificação à dimensão técnica. Os dados empíricos revelaram que a Cooperjeans caminha em direção a aprimorar a qualificação dos cooperados por meio das práticas educacionais que a cooperativa desenvolve e, em decorrência disso, amplia o conhecimento intelectual, comportamental e afetivo dos cooperados.
Descrição: Biblioteca UNESP
URI: http://www.bdae.org.br/dspace/handle/123456789/428
Aparece nas coleções:Educação do Trabalhador
Economia Solidária

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
erika_alaniz9.pdf1.53 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
erika_alaniz8.pdf2.61 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
erika_alaniz7.pdf1.38 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
erika_alaniz6.pdf2.02 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
erika_alaniz5.pdf2.75 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
erika_alaniz4.pdf2.67 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
erika_alaniz3.pdf3.64 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
erika_alaniz2.pdf4.89 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir
erika_alaniz1.pdf2.88 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.

Ferramentas do administrador